terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Aula Experimental

Estava numa parte importante da história. Um momento decisivo entre o imperador e a camponesa. Ele devia abrir mão de sua herança para se aventurar com uma órfã? E ela, seria capaz de deixar o vilarejo onde cresceu para tornar-se uma dama? Era tão jovem, tão imatura. Ele também, não queria dar ouvidos ao pai.

- Lorena! Larga esse livro, você tem uma consulta agendada com o Dr. Cosme daqui à uma hora. Sairemos em dez minutos!

Minha mãe não era nada a favor do meu hábito de leitura. Ela se irritava com o tempo que eu passava entre os livros. Tinha de concordar com ela, em partes. Não tinha muitas amigas e detestava assistir televisão. Meu amigo era meu livro. Era através da literatura que eu conhecia o mundo, e adorava viajar por culturas diferentes, em séculos variados... Por isso sempre tirava a nota máxima em história, língua portuguesa, geografia... Notas medianas em matemática, física e química. Educação física não, era péssima.

- Onde pensa que vai com essa saia indiana? Pelo amor de Deus, volta lá e coloca e jeans. E passa um lápis, um batom, você está parecendo um fantasma!

Eu odiava usar jeans. Odiava maquiagem. Qual o problema em manter a naturalidade? Achava lindo o contorno das minhas sobrancelhas. As meninas da minha idade usavam maquiagem para cobrir as imperfeições da face. Esconder uma espinha, fazer os olhos parecerem maiores, os lábios mais volumosos. Eu não tinha necessidade disso.

Abri as gavetas e peguei o primeiro jeans da pilha desorganizada. Fiz um coque com os cabelos, contornei os olhos com lápis preto e os lábios com gloss. Por último, pendurei um brinco com uma pena colorida em uma das orelhas. Pelo menos uma pitada de quem eu realmente era.

- Bom dia mocinha, como você está? – ele sorriu, mas a boca apresentada poucos dentes. Senti calafrios.

- Estou ótima, Dr. Cosme. Mas minha mãe insiste que eu faça esses exames de rotina.

- Em que período você está? – encarei seus olhos sem compreender. – Você já tem quatorze anos, Lorena. Seu corpo está em transição para o amadurecimento. E isso mexe muito com seus hormônios. É normal que se sinta confusa, irritadiça e sensível. Mas, para que eu possa te ajudar, preciso que você seja sincera comigo.

- O que foi que minha mãe disse ao senhor? – perguntei, entediada com aquele lero-lero.

- Não importa o que ela disse ou deixou de dizer, eu estou vendo. O que significa essas espinhas no seu rosto? Posso enxergar a oleosidade daqui, mesmo que eu tire os óculos. E esses fios grossos e sedosos? Seu cabelo já foi mais bonito.

- Ok, já entendi. – dei o braço a torcer. – Eu estou tendo dificuldade para dormir. Perdi muito peso nos últimos meses. E ás vezes sinto uma tristeza horrível, que parece não ter fonte.

Dr. Cosmes escrevia aceleradamente em seu bloquinho. Aquilo me dava uma agonia...

- Preciso de alguns exames. Vamos ver se está com alguma alteração hormonal. De qualquer forma, evite comidas gordurosas e procure uma atividade física para fazer.

- Mas eu estou abaixo do peso!

- Isso mesmo. Você precisa ganhar massa muscular. E exercitar-se um pouco vai fazer bem para o seu humor.

Bem, se ele estava falando. Naquele mesmo dia eu me inscrevi para a ginástica feminina. Duas vezes por semana, caminhava até a academia vestindo legging, shorts jeans, top e uma bata. A sala tinha mulheres bem mais velhas, quase nenhuma garota da minha idade. Mas eu preferia assim. A instrutora não pegava nada leve. Começava a suar logo no aquecimento, o alongamento me deixava com os músculos em frangalhos e o relaxamento me fazia querer dormir, o corpo retornando ao seu estágio inicial.

O que me fazia relaxar era a música de fundo, algumas eletrônicas populares e um pouco de jazz. As melhoras eram visíveis: me sentia mais disposta e com um apetite aguçado. Ao final daquele ano, no dia da confraternização, me dei conta de que não havia feito amizade com ninguém. Senti-me exclusa na festa organizada e, depois disso, nunca mais voltei às aulas.

- Que tal se você fizer aulas de dança, Lorena? Não quer se inscrever?

- Até parece. Não tenho o menor jeito! Lembra das aulas de country?

- Filha, você tinha oito anos! Hoje é diferente. Vamos lá, eu tenho acompanho!

Não falei brincando, não levava o menor jeito para dançar. Arrisquei-me na turma de country do município e fiquei sem par para me apresentar, acredito que propositalmente. Na escola, fiz testes para dançar jazz na formatura, mas o máximo que consegui foi o papel de anjo. Anjo não se mexe, não canta nem dança. Só tinha de ficar lá, com uma palma contra a outra, sorrindo numa roupa ridícula, feita de isopor e glitter.

- Lamento, todas as aulas já estão com as turmas esgotadas. Mas está começando uma turma nova de Dança do Ventre, gostaria de fazer uma aula experimental? – disse o recepcionista, claramente se desculpando.

- Dança do Ventre não, mãe! – arg, era brega demais!

- Por que não? Pode ser legal! – sabia que não tinha chances de correr dali.

- Tudo bem, mas ninguém pode saber! Ta ouvindo?

Sentamo-nos em círculo. Havia mulheres de todas as idades, desde crianças à senhoras, a maioria fora de forma. Uma senhora na faixa dos quarenta entrou na sala descalça com um lenço de moedas amarrado nos quadris. Mas não era possível que fosse a professora. Ela tinha cabelos curtos e seios fartos. As dançarinas não eram magras, com cintura fina e cabelo cumprido?

- A Dança do Ventre é uma arte milenar originária do Egito. Ela traz muitos benefícios ao corpo, à mente e ao espírito. Desperta a sensualidade da mulher e contribui com diversos tratamentos para a saúde e autoestima. – dizia ela, mas os buchichos não permitiram que fosse em frente. – Eu vou mostrar a vocês.

Um pouco nervosa, ela se dirigiu ao aparelho de som e colocou uma música árabe. Todos se calaram para vê-la dançar. E quando ela começou, não parecia a mesma pessoa. A postura, o olhar, a leveza das mãos: era encantador. De repente, não importava se ela era baixa ou alta, gorda ou magra, ela era linda: pura e simplesmente.

- Vamos dançar?

Todas nos colocamos de pé imediatamente. A professora aumentou o volume do som e começou a nos guiar, ensinando passo a passo de cada movimento, andando entre a gente para corrigir uma por uma. Eu estava impressionada com a minha capacidade. Não imaginava que sabia fazer aquilo com o quadril. Não tinha noção do quanto eu era boa! E eu sorria. Estava feliz comigo mesma.


P.S.

Conto inspirado na minha primeira experiência com a Dança do Ventre. Estou trabalhando num romance histórico de ficção que mescla a arte da dança com algumas lendas místicas. Em breve =)

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Projetos Literários 2015

Não esqueci dos meus bebêsbooks não! Mesmo com a correria da rotina, estou me sacrificando na tarefa maçante de diagramar meu novo livro, que dependendo da profissional aqui não vai sair nunca! É bem mais fácil pagar uma editora para fazer a parte chata =/

Enfim, a falta de divulgação não está me afetando tanto. Ainda recebo muitos e-mails de jovens aspirantes à escritores e vira e mexe um blog, associação ou evento literário entra em contato solicitando exemplares. Já desencantei da ideia de ganhar dinheiro vendendo livro, todavia, sinto uma alegria imensa só de imaginar uma pessoa se emocionando com meus personagens!

Este ano começou bem, estou de mente aberta e espero que a experiência estudando Jornalismo contribua com meu processo de editoração independente. Vamos aos projetos?

Momentos dos Delírios na 3ª edição do evento Sagas Unidas

Clara Siqueira e Giovana Mendes se uniram para criar um evento literário na Lagoa do Taquaral em Campinas/SP e depois de tantos contatos, conseguiram juntar um número de brindes e participantes que levaram o evento á sua terceira edição, além de contribuírem com diversos autores brasileiros, estreantes, independentes ou sei lá o quê.

Muito grata por ter sido contatada para apresentar meu livro! Enviei três exemplares de cortesia e espero que o evento se supere ainda mais. Em sua última edição, contou com concurso de cosplay e fanart, quiz literário, encenação e sorteios, numa espécie de gincana literária. Não é uma ideia brilhante? Confira aqui o 3º Sagas Unidas no face.

Parceria nova o/ Blog Crescendo aos Poucos

Uff, tava doida por resenhas novas (e positivas!). A Dai Vieira (19) é estudante de administração e amante de livros, música e moda. Seu blog fala de um pouco de tudo, além de funcionar como um diário virtual (que nem o meu ^^).


E-book gratuito

Eu ainda não me adaptei a ler livros digitais, mas tem quem goste. Portanto, em 2015, farei uma diagramação especial do livro Momentos dos Delírios e dos meus contos românticos para download. E, assim que eu conseguir registrar meus direitos autorais, o tão esperado (e não esquecido, assim espero) Sob os Olhos de Natasha também será disponibilizado.

Dane-se os concursos literários (que exigem exclusividade), já cansei de ler aqueles editais intermináveis e as chances são mínimas. Aliás, alguém pode me indicar um capista interessado numa parceria sem fins lucrativos??

Clube de Escritores

Desenvolvi uma proposta de projeto literário para apresentar ao secretário de cultura do meu município, com o apoio da bibliotecária Marli Zoratto. A ideia é promover encontros, oficinas e palestras com aspirantes à escritores do município. O programa consiste num encontro mensal em diferentes espaços públicos.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Feliz 2015!

Eu sei, estou meio atrasadinha para um post de ano novo, mas tenho meus motivos para não ter escrito: primeiro que eu estava de viagem e não tive tempo, segundo que me faltava inspiração. Todavia, ganhei uma agenda linda das Menininhas (eu usava fichário dessas personagens no ensino médio) e enquanto preenchia as lacunas das primeiras páginas, me veio à mente uma tonelada de aspirações.

Nada de retrospectiva. Não vamos falar do passado. 2014 foi um ano maravilhoso, cheio de altos e baixos, mas passou! Quero focar no hoje e no amanhã. Claro que metade das minhas novas resoluções tem a ver com a dança, já que esta paixão está tomando grandes proporções na minha vida, como disse neste post aqui. Mas também tenho metas a cumprir com relação à minha vida pessoal, profissional, familiar e amorosa.


1. Fazer cursos de aperfeiçoamento em Dança do Ventre

Já havia cogitado fazer um aprimoramento técnico e didático na área no ano passado, mas acabei dando espaço para me aprofundar em dança tribal. Então, estudar com grandes mestras na arte é uma das minhas prioridades neste ano.

2. Aprender inglês avançado

Na área que eu trabalho e nos ambientes que frequento e/ou gostaria de frequentar, saber inglês é imprescindível, uma necessidade e tanto no meu currículo e na minha vida pessoal. Quero ganhar o mundo. E quem tem boca vai a Roma.

3. Concluir dois semestres do curso de Comunicação Social

Fazer faculdade está contribuindo muito com meu aprimorando pessoal. Estou trabalhando a dicção, o profissionalismo, a empatia, além do aprendizado técnico com edição de textos e roteiro.

4. Tirar habilitação para dirigir

Como é que vou obter meu carrinho se ainda nem sei dirigir? Vou fazer vinte e um anos e já passou da hora de aprender, mas ainda está em tempo. Assim que eu arrumar um emprego estável, darei início a esse processo longo e maçante.

5. Ir ao dentista

A questão de saúde e estética também é superimportante para minha vida pessoal e profissional, afinal eu trabalho com o público, preciso cuidar da minha imagem. E estou adiando muito a remoção dos sisos. Desse ano não passa!
Created By Sora Templates